Não se toca no «apartheid» de Israel

Rima Khalaf, secretária executiva da agência das Nações Unidas Escwa, anunciou ontem, em Beirute, a sua demissão, depois das pressões do Secretariado da ONU para que retirasse um relatório que acusava Israel de impor uma política de apartheid aos palestinianos.

http://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/palestina-muro_do_apartheid-mppm.jpg?itok=ppzRjmmw
Aspecto do Muro do Apartheid israelita, que atravessa a Margem Ocidental ocupada
Aspecto do Muro do Apartheid israelita, que atravessa a Margem Ocidental ocupadaCréditosMPPM

O relatório publicado na quarta-feira, 15, pela Comissão Económica e Social das Nações Unidas para a Ásia Ocidental (Escwa, na sigla inglesa), com sede na capital libanesa, concluía, sem qualquer sombra de dúvida, que Israel é culpado da prática do crime de apartheid contra o povo palestiniano, «tal como legalmente definido nos instrumentos de Direito internacional», refere, numa nota, o Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente (MPPM).

«Sublinhando o carácter intencional das políticas de Israel para manter a dominação judaica em Israel e nos territórios palestinos ocupados», o relatório dá especial ênfase às políticas discriminatórias de Israel no que respeita à terra, bem como a políticas de «engenharia demográfica».

Pressões e submissões

Logo na quarta-feira, os Estados Unidos da América, principal aliado de Israel, fizeram notar a sua repulsa face à publicação do relatório. Por seu lado, o secretário-geral da ONU, António Guterres, fez saber, através de um porta-voz, que o relatório fora publicado sem consultar o secretariado do organismo e que «não reflecte as opiniões do secretário-geral».

Na quinta-feira, a embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, manteve a pressão, afirmando que «o secretariado (…) deve ir mais longe e retirar inteiramente o relatório». Guterres pediu que o relatório fosse retirado do portal da Escwa; e tal veio a concretizar-se esta sexta-feira.

Na conferência de imprensa que ontem deu em Beirute, a diplomata jordana Rima Khalaf confirmou que foi pressionada por António Guterres para retirar o relatório que aponta e define o apartheid imposto pelos sionistas sobre o povo palestiniano.

«Era de esperar que Israel e os seus aliados exercessem grandes pressões sobre o secretário-geral das Nações Unidas», disse Khalaf, que se manteve firme na defesa do relatório apresentado.

Orgulhosa, classificou-o como o «primeiro do seu género», divulgado por uma agência da ONU, a chamar a atenção para «os crimes que Israel continua a cometer contra o povo palestino, que equivalem a crimes de guerra contra a humanidade», informa a Prensa Latina.

0 Comentários

no artigo "Não se toca no «apartheid» de Israel