CGT irá bater-se contra a implementação da reforma laboral

Mobilizações contra a Lei do Trabalho regressaram em força às ruas de França

Mais de 150 mil trabalhadores franceses mobilizaram-se, ontem, por todo o país para exigir a derrogação da reforma laboral promovida e aprovada por decreto pelo Governo francês.

http://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/franca-manif-15set.jpg?itok=UsmiIkE3
Em Paris, cerca de 40 mil pessoas manifestaram-se contra a reforma laboral aprovada por decreto em Julho, referiram as organizações sindicais
Em Paris, cerca de 40 mil pessoas manifestaram-se contra a reforma laboral aprovada por decreto em Julho, referiram as organizações sindicaisCréditostrtworld.com

A jornada de protesto contra a Lei do Trabalho que ontem teve lugar em França foi a primeira após a paragem de Verão e a 14.ª desde Março deste ano, na sequência da apresentação do pacote de reformas laborais conhecido como «Lei El Khomri».

Num comunicado, a Confederação Geral do Trabalho (CGT) afirma que, por iniciativa de sete organizações sindicais, ontem se realizaram mais de 110 manifestações e concentrações, em todo o país, «para continuar a dizer “Não” à nova lei do trabalho».

Pese embora as enormes medidas de segurança a que tiveram de fazer frente, cerca de 170 mil trabalhadores vieram para as ruas pela 14.ª vez, afirma a confederação sindical, sublinhando que irá continuar a bater-se, em todos os terrenos, para travar a aplicação da lei, seja a nível local, nas empresas ou na Justiça.

Tanto o secretário-geral da CGT, Philippe Martinez, como o líder da Força Operária, Jean-Claude Mailly, acompanhados por outros dirigentes sindicais, participaram na manifestação que se realizou em Paris, onde, de acordo com os organizadores, mais de 40 mil pessoas se mobilizaram entre a Praça da Bastilha e a Praça da República (já a Polícia disse que os manifestantes não eram mais que 12 500, refere a Prensa Latina).

Um forte dispositivo de segurança, composto por centenas de polícias, rodeou a mobilização, que, no geral, decorreu de forma pacífica. No final, registaram-se confrontos entre alguns manifestantes e a Polícia, que usou gás lacrimogéneo e canhões de água. O mesmo se passou noutras cidades do país, nomeadamente em Nantes. De acordo com o Resumen Latinoamericano, foram detidas pelo menos 119 pessoas em toda a França.

Luta renovada contra a Lei do Trabalho

Com esta jornada de protesto contra a «lei dos patrões» e «por empregos mais seguros», trabalhadores e sindicatos mostraram que continuam firmes na luta contra a reforma laboral, que foi aprovada em Julho.

Na altura, confrontado com o repúdio maioritário da população, a divisão no seio dos socialistas e a possibilidade de os deputados aprovarem, na Assembleia Nacional, alterações favoráveis aos trabalhadores, o primeiro-ministro, Manuel Valls, recorreu ao artigo 49.3 da Constituição, que lhe permitiu aprovar a reforma por decreto, saltando a parte do debate e da votação no Parlamento.

O Governo defende que, com a nova legislação, irá modernizar as relações laborais e promover a criação de emprego, mas a maioria dos sindicatos insiste que o projecto está feito à medida dos interesses do patronato, permitindo aumentar a carga horária e a precariedade das condições de trabalho, bem como a facilitação dos despedimentos e a diminuição do valor das indemnizações.

0 Comentários

no artigo "Mobilizações contra a Lei do Trabalho regressaram em força às ruas de França