Défice da balança comercial externa cresce

Dependência externa agrava-se na União Europeia

A zona euro registou em Janeiro um défice de 600 milhões de euros na balança comercial externa segundo o Eurostat. Portugal é dos países com maior dependência externa.

http://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/estivadores_porto_portuario_importacoes_exportacoes.jpg?itok=Fx-c6ojw
Portugal é dos países que mais sofre com a dependência dos restantes países da União Europeia
Portugal é dos países que mais sofre com a dependência dos restantes países da União EuropeiaCréditos

Em Janeiro, as exportações da zona euro para fora do bloco europeu ascenderam a 163,9 mil milhões de euros (mais 13% do que os 144,9 mil milhões de euros em Janeiro de 2016) e as importações estabeleceram-se nos 164,5 mil milhões de euros (mais 17% do que os 140,1 mil milhões de euros de Janeiro de 2016).

Já no que respeita ao conjunto dos 28 estados-membros da União Europeia, o défice na balança comercial externa de bens agravou-se para os 16,2 mil milhões de euros, face ao de 12,1 mil milhões de euros em Janeiro de 2016.

As exportações da UE para o resto do mundo atingiram os 141,2 mil milhões de euros (mais 16% do que os 121,4 il milhões de euros no mês homólogo) e as importações saldaram-se em 157,4 mil milhões de euros, uma subida homóloga de 18% (133,5 mil milhões em Janeiro de 2016).

Portugal é um dos países da zona euro que contribuiu de forma mais negativa para o resultado, com um défice comercial externo de 900 milhões de euros, dois terços dos quais referentes a trocas comerciais com outros estados-membros da União Europeia. Apenas a Áustria, a Grécia, Espanha e França registam maiores níveis de dependência externa.

As relações comerciais do conjunto dos 28 agravaram-se, particularmente, com a Rússia e a Turquia, ainda que a China continue a ser o maior exportador para o espaço da União Europeia, enquanto o principal destino das exportações são os Estados Unidos da América.


Com Agência Lusa

0 Comentários

no artigo "Dependência externa agrava-se na União Europeia