|E o mundo é a nossa tarefa

Tantas perguntas…; o poema aí fica.

E o mundo é a nossa tarefa é uma escolha semanal de Manuel Augusto Araújo.

http://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/man-ray-surimpression.jpg?itok=XMiue0ZI
Olhar, Man Ray, 1989
Olhar, Man Ray, 1989CréditosMan Ray

Tantas perguntas…; o poema aí fica.

Querida, hoje saí de casa já muito ao fim da tarde
para respirar o ar fresco que vinha do oceano.
O sol fundia-se como um leque vermelho no teatro
e uma nuvem erguia a cauda enorme como um piano.

Há um quarto de século adoravas tâmaras e carne no braseiro,
tentavas o canto, fazias desenhos num bloco-notas,
divertias-te comigo, mas depois encontraste um engenheiro
e, a julgar pelas cartas, tornaste-te aflitivamente idiota.

Ultimamente têm-te visto em igrejas da capital e da província,
em missas de defuntos pelos nossos comuns amigos; agora
não param (as missas). E alegra-me que no mundo existam ainda
distâncias mais inconcebíveis que a que nos separa.

Não me interpretes mal: a tua voz, o teu corpo, o teu nome
já não mexem com nada cá dentro. Não que alguém os destruísse,
só que um homem, para esquecer uma vida, precisa pelo menos
de viver outra ainda. E eu há muito que gastei tudo isso.

Tu tiveste sorte: onde estarias para sempre — salvo talvez
numa fotografia — de sorriso trocista, sem uma ruga, jovem, alegre?
Pois o tempo, ao dar de caras com a memória, reconhece a invalidez
dos seus direitos. Fumo no escuro e respiro as algas podres.

Joseph Brodsky, tradução de Carlos Leite

Tópico

0 Comentários

no artigo "Tantas perguntas…; o poema aí fica.