|E o mundo é a nossa tarefa

A chama, a fala

E o mundo é a nossa tarefa é uma escolha semanal de Manuel Augusto Araújo.

http://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/2a47e0ee4974340e8567e5ca4cd28af3.jpg?itok=UoBzGwP5
O Jardim das Delícias Terrenas, Hieronymus Bosch, 1504
O Jardim das Delícias Terrenas, Hieronymus Bosch, 1504CréditosHieronymus Bosch

A chama, a fala

Num poema leio:
“conversar é divino.“
Porém, os deuses não falam:
Fazem e desfazem mundos
enquanto os homens falam.
Os deuses, sem palavras,
jogam jogos terríveis.
O espírito desce
e desata as línguas,
porém não fala palavras:
fala lume. A linguagem,
pelos deuses acesa,é uma profecia
de chamas e uma torre
de fumo e um colapso
de sílabas queimadas:
cinza sem sentido.

A palavra do homem
é filha da morte.
Falamos porque somos
mortais: as palavras
não são signos, são anos.
Ao dizer o que dizem,
os nomes que dizemos,
dizem tempo: dizem-nos.
Somos nomes do tempo.

Mudos também os mortos
pronunciam as palavras
que nós, os vivos, dizemos.
A linguagem é a casa
de todos, a casa suspensa
no flanco do abismo.
Conversar é humano.

Octávio Paz, tradução Luís Costa

Tópico

0 Comentários

no artigo "A chama, a fala