António Tereso, militância à prova de bala

O militante comunista que se destacou na preparação e execução da fuga da prisão de Caxias, a 4 de Dezembro de 1961, António Tereso, faleceu no sábado, aos 89 anos. 

http://www.abrilabril.pt/sites/default/files/styles/jumbo1200x630/public/assets/img/tereso-carv-pina_1_.jpg?itok=XCbfQP_t
António Tereso
António TeresoCréditos

A história de António Tereso confunde-se com a da resistência antifascista. Como tantos outros naqueles tempos, começou a trabalhar ainda criança, com apenas 12 anos, tendo ingressado mais tarde na Carris.

António Tereso assumiu um dificil, destacado e determinante papel na preparação e execução da fuga de oito camaradas (incluindo ele próprio) do Reduto Norte da prisão de Caxias.

Domingos Abrantes, um dos militantes que se evadiu de Caxias, recorda-o como militante e companheiro, lembrando o papel decisivo naquela acção quando «estava quase a sair em  liberdade». «Na defesa dos interesses do Partido, António Tereso arriscou muito e continuou a servir o Partido», arcando ainda com o fardo de se passar por um «rachado» e de assim ser tratado pelos seus camaradas na prisão.

A fuga de Caxias figura como uma das mais espectaculares e importantes evasões dos carceres do fascismo. Tirando partido da confiança que o papel de «rachado» lhe possibilitou, Tereso fez o melhor uso de um carro blindado que Hitler oferecera a Salazar, e foi debaixo de fogo que rumaram à liberdade importantes dirigentes do PCP.

Domingos Abrantes destaca ainda o empenho, rigor e seriedade com que Tereso pautou a sua militância no PCP, quer no período em que foi forçado à clandestinidade, antes do 25 de Abril, quer depois como funcionário do Partido.

O corpo de António Tereso estará em câmara ardente na Casa Mortuária da Igreja de S.Francisco de Assis, na Av. Afonso III (ao Alto de S. João), amanhã, a partir das 10h. O funeral sai às 12h para o Cemitério de Barcarena onde o corpo será cremado pelas 12h30.

0 Comentários

no artigo "António Tereso, militância à prova de bala